O Sonho de Pierre

A Universidade da Paz dos meus sonhos

 
 
 

Se algum infalível vidente me anunciasse que eu ia desencarnar amanhã, o que é que eu escreveria para os meus amigos e amigas responsáveis pela condução dos destinos da UNIPAZ?

A experiência de quinze anos nos mostrou que a UNIPAZ recebe sinais de outra dimensão que, de uma forma ou outra, está a nos guiar. A sua Luz indica caminhos através de inúmeras mensagens diretas e de sincronicidades, alternadas com embaraçosas sombras, colocando à prova a nossa confiança, a nossa fé e a nossa capacidade de sintonizar com esta Luz, através de soluções criativas e alternativas. Cada um de nós é um instrumento de uma força maior. Dentro deste contexto, eu iria com certeza abrir-me à inspiração desta Luz e lhes comunicar a visão atual do futuro deste nosso organismo, da UNIPAZ que podemos e devemos construir juntos. Lembraria, antes de qualquer coisa, que aquele primeiro sonho que se apresentou a mim enquanto andei nos trilhos de um trem, com apenas dezoito anos, sob forma de um devaneio durante a segunda guerra mundial, em plena batalha da guerrilha francesa, efetivamente se realizou no Brasil, sessenta anos depois, sob a forma da nossa UNIPAZ.

Do fundo da minha alma e com o todo entusiasmo do meu coração vejo a nossa 'Rede UNIPAZ "espalhada pelo Mundo afora, com unidades em todas as grandes cidades dos cinco continentes, mantendo núcleos nas comunidades menores, irradiando Educação e Terapia por uma Cultura de Paz e Não violência.

Exatamente como previsto, efetuamos uma notável síntese dos métodos mais eficientes de educação e de terapia, a serviço da Paz. Esta síntese, inspirada no Ocidente e no Oriente, nos valeu o Prêmio Unesco de Educação para a Paz, no fim do ano 2000, em Paris.O reconhecimento do nosso esforço pelo órgão mais autorizado das Nações Unidas, aumenta ainda mais a nossa responsabilidade perante o Mundo. Não é, pois, o momento de descansar sobre os nossos próprios louros, justamente agora que o nosso arcabouço teórico está razoavelmente assegurado, ancorado por uma estrutura jurídica e administrativa sólida, unindo os esforços de umas vinte cinco unidades no Brasil e no Mundo, apoiados por um conceito público merecedor de todo respeito. Pelo contrário, é o momento de darmos um segundo passo para frente, pois saímos apenas da primeira fase, que corresponde à realização do meu primeiro sonho.

Estamos entrando agora na segunda etapa, iniciada creio eu, pelos eventos do dia 11 de setembro, dia em que publicamos a "Cartilha da Paz", uma mensagem resumindo em duas páginas as grandes linhas da nossa reflexão sobre como a humanidade pode sair do violento lamaceiro em que ela mesma se lançou. Do fundo da minha alma e com o todo entusiasmo do meu coração vejo a nossa 'Rede UNIPAZ "espalhada pelo Mundo afora, com unidades em todas as grandes cidades dos cinco continentes, mantendo núcleos nas comunidades menores, irradiando Educação e Terapia por uma Cultura de Paz e Não violência. Vejo milhares de colaboradores altamente motivados, que colaboram entre si; todo mundo vê um organismo só e se sente como parte integrante, mesmo se por motivos de descentralização a UNIPAZ tiver achado por bem continuar composta de associações ou outras unidades juridicamente autônomas, mas interdependentes por sua pertinência regimental à mesma Universidade.

Será mantida uma permanente conscientização de competições, jogos de poder e tendências a cisões, próprias de fases da dinâmica institucional, procurando realizar verdadeira sinergia feita de relações de profundo respeito e amizade, acima dos eventuais interesses locais e defesas de território, ou superioridades bairristas. A estrutura jurídica será vista como um meio de atender à lei, o que é também nossa obrigação, mas jamais deve se tornar uma finalidade. Estruturas legais ou convênios serão efetivados visando realizar certas finalidades acadêmicas, tais como faculdades ou reconhecimento oficial de formações, desde que permitam à UNIPAZ conservar uma relativa liberdade de criar, crescer e melhorar os sistemas pedagógicos e os programas e projetos, bem como não deformem ou tornem irreconhecíveis os nossos cursos e programas.

 
 

Em todos os casos em que se adotar sistemas de diplomação oficialmente reconhecidos, serão criados sistemas que incentivarão motivação e entusiasmo pela transformação pessoal tal como é o caso atual, e não pelo prestigio conferido pela posse do diploma. Caso isto não seja possível, a tendência será a de evitar entrar em corrente motivacional geradora de ambiente de vaidade e de um esforço mínimo necessário para a aprovação em sistema de provas tradicionais.

A perspectiva de crescimento a nivel continental e mundial exigirá, desde agora, a instalação de uma estrutura em rede bastante flexível, permitindo uma circulação eficaz da informação, propiciando o crescimento mundial, dentro de uma organização sistêmica. Reuniões visando aprendizagem recíproca e decisões a nível mundial, continental, nacional, regional e local, insuflarão a vida que exige, antes de tudo, constante renovação e a comunhão de corações. As instalações físicas serão diferentes em tamanho, conforme as estruturas técnico-administrativas locais e regionais, mas todas levarão em conta o desenvolvimento viável do Meio Ambiente local e global.

Vejo a "Rede UNIPAZ" se estendendo no grande público, pela "Rede da Paz", como a sua continuação natural, em várias línguas, com centenas de milhares de adesões de elos individuais e organizacionais em muitos países ou regiões lingüísticas, assegurando bolsas de estudo em todo o mundo, o que permitirá, além de atingir uma ação altamente social e humanitária, reforçar financeiramente as unidades locais da UNIPAZ. Orgãos informativos, como a Revista Meta, e outros como o da UNIPAZ Europa, permitirão difundir, através da Rede da Paz, a nova visão holística e transdisciplinar. Programas de Marketing em alto nível profissional, além de tornar finalidades, ideais e realizações cada vez mais conhecidos, visarão também manter a continuidade da instituição através de permanentes fontes de recursos.

Assim asseguradas, as fontes financeiras permanentes governamentais ou não governamentais propiciarão uma remuneração condigna para todos os colaboradores. Como organismo do terceiro setor, sempre dependeremos em grande parte do primeiro elou do segundo setor, além dos nossos recursos próprios. Estratégias serão organizadas tendo este fato conscientemente em mira.

Pierre Weil